Distúrbios neuróticos da função erétil

Um certo papel na formação dos distúrbios neuróticos da função erétil, além dos conflitos familiares e sociais, é desempenhado pela cultura popular moderna. Aqui, a propaganda e o culto ao sexo não só levam a um aumento das doenças urogenitais e sexualmente transmissíveis que afetam o sistema reprodutivo, mas também geram um sentimento de insegurança em homens fisicamente saudáveis ​​diante dos modelos sexuais do show business. Um fator importante no enfraquecimento das ereções, como resultado de sexo promíscuo e infecções urogenitais, são as doenças da próstata, especialmente a prostatite crônica. Em muitos parâmetros funcionais, a próstata é o centro neurovegetativo pélvico. Suas doenças afetam não apenas a função sexual, mas também a função da bexiga e dos intestinos. De acordo com pesquisadores 1980 russo (Ryabinsky VS 1983 Zakrillaev W, 1984, Tkachuk VN, 1989), prostatite crônica é quase 100% dos casos leva ao desenvolvimento de impotência. De acordo com a nossa clínica recebeu durante o período de 1993 – 2007, o distúrbio da função eréctil em prostatite crónica ocorrer menos frequentemente – em 23% dos pacientes, o que é consistente com a posterior russo (OL Tiktinsky, 1999) e externa (B. Hennenfent , 1995; Lawrence, D et al., 1999).

Até recentemente, foi decidido distinguir dois tipos principais de impotência – psicogênica, por causas psicológicas, e orgânica, associada a doenças de órgãos internos. Este último, por sua vez, foi dividido em três tipos principais – vascular (insuficiência circulatória), neurogênica (distúrbio da condução das fibras nervosas) e endócrino (distúrbios hormonais). De acordo com estudos da década de 1990, acreditava-se que as causas psicogênicas da função sexual prejudicada nos homens perfazem 35%, orgânicas – 25% e em 40% dos casos há uma combinação de causas orgânicas e psicogênicas (Taille AL et al., 1999). A pesquisa científica nos últimos anos mudou significativamente essa relação em favor de doenças orgânicas. Então, de acordo com S.Yu. Kalinchenko (2006), A proporção total de distúrbios psicogênicos e neurológicos no desenvolvimento da função erétil não excede 5%. As principais causas são distúrbios vasculares (vasculogênicos) (40%), diabetes mellitus (30%) e efeitos da medicação (6%).